quarta-feira, 27 de abril de 2011

Sorte (um poema de Hermann Hesse)




estou lendo o romance "O Lobo da Estepe", do escritor alemão Hermann Hesse, então resolvi postar um poema dele aqui.



Enquanto vives perseguindo a sorte,
não estás pronto para ser feliz,
ainda que seja teu o que mais queres.

Enquanto te lamentas do perdido,
e tens metas e não te dás descanso,
não podes saber o valor da paz.

Só quando a todo anelo renuncias,
sem objetivos nem desejos mais,
e já não dás à sorte qualquer nome,

já a maré dos eventos não te atinge
o coração, e se acalma tua alma.

(de “Música da Solidão”, 1915)

2 comentários:

  1. Opa! Obrigado. nosbor.araujo@gmail.com
    ou robson.araujo@camara.gov.br

    ResponderExcluir